Ajude o desenvolvimento do site, compartilhando o artigo com os amigos!

Como uma mulher com obesidade, Laura Bogart, trabalhando em escritórios e redações cheias de lanches grátis, estava ciente de sua aparência e da maneira como seus colegas de trabalho a olhavam. - Quando eu queria comer alguma coisa, imediatamente pensava em como eu ficaria como a única pessoa obesa comendo um biscoito - diz Laura.

Laura Bogart, uma escritora freelance americana, aprendeu a ficar em silêncio enquanto seus colegas e colegas discutiam dietas e perda de peso. - Não foi a reação mais ousada, mas nessas situações eu apenas coloquei fones de ouvido para não ouvir seus comentários - diz Laura.

Obeso vai perder o emprego mais rápido

Bogart não é paranóico. Pesquisas mostram que as pessoas obesas são percebidas no ambiente de trabalho como preguiçosas, pouco inteligentes, desleixadas, desprovidas de força de vontade, motivação e autocontrole, o que na opinião dos empregadores se traduz em f alta de capacidade de liderança. E quanto maior o índice de massa corporal de uma pessoa obesa, maior a probabilidade de serem estigmatizados por isso.

Esses estereótipos não apenas perpetuam a imagem negativa das pessoas obesas, mas também podem ter um impacto direto nas decisões do empregador sobre o destino de um funcionário obeso. É por causa desses estereótipos que as pessoas com obesidade perdem a chance de serem empregadas em primeiro lugar no processo de recrutamento, desenvolvimento profissional, promoção ou perda de um emprego já ocupado.

De acordo com Rebecca Pearl, psicóloga da Universidade da Pensilvânia (EUA), que realiza pesquisas sobre a percepção social de pessoas obesas, os efeitos negativos da estigmatização devido ao maior peso corporal são mais vivenciados pelas mulheres do que pelos homens , desde os estágios iniciais da obesidade. Em parte, isso ocorre porque o nível de atratividade pode ter um impacto maior na carreira das mulheres do que na dos homens.

A estigmatização devido ao peso pode afetar todos os funcionários da empresa. "Não são apenas as pessoas com sobrepeso e obesas que sofrem, mas outras também", diz Rebecca Pearl. Em uma força de trabalho obcecada por aparência e peso, todos os funcionários, inclusive os magros, podem perceber a si mesmos e suas habilidades de forma diferente.

Luta americana contra o estigma

Exceto para o estado de Michigan e cidades como São Francisco e Washington,as pessoas obesas não são um grupo social legalmente protegido contra a discriminação. Isso significa que, na maioria dos estados dos EUA, a estigmatização do peso é legal e não há nenhum órgão de apelação para os lesados.

Rebecca Pearl ress alta que no treinamento de diversidade corporativa, a estigmatização da importância não é levada em consideração. Os empregadores indicam comportamento hostil em relação aos funcionários por causa de sua raça, gênero ou religião, mas pouco ou nenhum comportamento negativo é mencionado nas relações com trabalhadores de maior peso. Segundo Pearl, isso se deve à própria percepção da obesidade. "Você não pode mudar a cor da sua pele, mas pode tratar e controlar a obesidade, então a obesidade é sua culpa, e a raça não", diz Pearl.

A Pearl, portanto, recomenda que as empresas incluam o aspecto de "diferenciação por causa do tamanho do corpo" em suas atividades de promoção da diversidade. O assim chamado comportamento microagressivo, direcionado não diretamente a uma pessoa específica, mas ao público em geral, comentários feitos casualmente sobre a aparência de alguém, tamanho maior ou roupas, podem disseminar preconceito contra pessoas com sobrepeso e obesidade. “Fala-se muito sobre peso e dietas em nossa cultura e, por algum motivo, as pessoas são mais propensas a comentar sobre o peso de alguém do que sobre outras características físicas”, diz Pearl.

Laura Bogart renunciou à conformidade com os hábitos alimentares corporativos e participa de conversas sobre perda de peso. Quando era mais jovem e ouvia comentários desagradáveis, ela os aceitava dolorosamente e os lembrava como um pesadelo. De acordo com Laura, as pessoas sempre olharão para os "maiores" de forma diferente.

Baseado em: www.edition.cnn.com

Importante

Poradnikzdrowie.pl apoia o tratamento seguro e uma vida digna das pessoas que sofrem de obesidade. Este artigo não contém conteúdo discriminatório e estigmatizante de pessoas que sofrem de obesidade.

Madalena GajdaEspecialista em doenças da obesidade e discriminação da obesidade de pessoas com doenças. Presidente da Fundação OD-WAGA de Pessoas com Obesidade, Ombudsman Social para os Direitos das Pessoas com Obesidade na Polônia e representante da Polônia na Coalizão Europeia para Pessoas que Vivem com Obesidade. Por profissão - jornalista especializado em questões de saúde, além de especialista em relações públicas, comunicação social, contação de histórias e RSC. Particularmente - ela é obesa desde a infância, após cirurgia bariátrica em 2010. Peso inicial - 136 kg, peso atual - 78 kg.

Ajude o desenvolvimento do site, compartilhando o artigo com os amigos!

Categoria: