Ajude o desenvolvimento do site, compartilhando o artigo com os amigos!

Substâncias hormonalmente ativas são substâncias químicas encontradas em muitos objetos do cotidiano, incluindo em cosméticos, brinquedos infantis, caixas, tintas e vernizes. Por muitos anos, essas substâncias estiveram "sob o escrutínio" de organizações internacionais que lidam com a proteção da saúde. A investigação científica mostra que as substâncias hormonalmente activas contribuem para o desenvolvimento de muitas doenças, incluindo obesidade e endometriose. O que são substâncias hormonalmente ativas e como elas afetam a saúde? Como evitá-los no dia a dia?

Conteúdo:

  1. Substâncias hormonalmente ativas: o que são?
  2. Substâncias hormonalmente ativas: mecanismo de ação
  3. Substâncias hormonalmente ativas: tipos
  4. Substâncias hormonalmente ativas: vias de exposição
  5. Substâncias hormonalmente ativas: impacto na saúde
  6. Substâncias hormonalmente ativas: efeitos no sistema reprodutor
  7. Substâncias hormonalmente ativas: influência na obesidade e doenças metabólicas
  8. Substâncias hormonalmente ativas: regulamentação legal
  9. Substâncias hormonalmente ativas: como evitar?

Substâncias hormonalmente ativas: o que são?

De acordo com a definição da Organização Mundial da Saúde (OMS), as substâncias hormonalmente ativas (EDC,desreguladores endócrinos ) são substâncias químicas exógenas (não constituindo componentes do corpo humano) compostos ou suas misturas, que alteram as funções do sistema endócrino e, consequentemente, têm um efeito negativo sobre o corpo humano e seus descendentes.

Substâncias quimicamente e hormonalmente ativas constituem um grupo heterogêneo de compostos. A maioria deles pertence ao grupo organoclorado e contém substituintes cloro ou bromo. Além disso, podem ser de origem natural, por exemplo genisteína de soja ou sintéticos, por exemplo, bisfenol A de embalagens plásticas.

Substâncias hormonalmente ativas: mecanismo de ação

Substâncias hormonalmente ativas afetam principalmente o sistema endócrino, que é responsável pela manutenção da homeostase em todo o corpo. Os hormônios, como moléculas informativas, atuam em tecidos específicos por meio de receptores localizados fora ou dentro das células. Os receptores são receptores de informações que os hormônios carregam com eles. O aparecimento de substâncias hormonalmente ativas no corpo interrompe suas funçõessistema endócrino, pois são semelhantes em estrutura aos hormônios. Ao se ligarem aos mesmos receptores que os hormônios produzidos pelo corpo humano, as substâncias hormonalmente ativas produzem um efeito biológico semelhante ou igual. A semelhança particular das substâncias hormonalmente ativas com os hormônios esteróides explica sua capacidade de se ligar aos receptores de esteróides para estrogênios, progesterona e andrógenos.

Muitas vezes, o argumento de que as substâncias hormonalmente ativas não são prejudiciais à saúde é que essas substâncias têm afinidade por receptores milhares ou até um milhão de vezes menor do que os hormônios. De acordo com essa suposição, apesar da estrutura semelhante de ambas as substâncias, os hormônios sempre terão prioridade sobre o receptor. No entanto, como se vê, as substâncias hormonalmente ativas podem apresentar um efeito biológico mais forte nas células precisamente em baixas (geralmente inferiores àquelas para as quais a atividade tóxica das substâncias é calculada), e não em altas concentrações como se pensava anteriormente.

Portanto, o mecanismo de similaridade molecular é o mais simples que explica o efeito das substâncias hormonalmente ativas no corpo. A pesquisa mostrou que as substâncias hormonalmente ativas podem funcionar de uma maneira muito mais complicada que não entendemos completamente. Acontece que essas substâncias podem alterar o padrão de expressão gênica (mudanças epigenéticas) nas células, que, embora não alterem a sequência do próprio DNA, podem ter um efeito prejudicial até mesmo na próxima geração.

Substâncias hormonalmente ativas: tipos

Atualmente, mais de 800 substâncias hormonalmente ativas são descritas, incluindo:

  • solventes industriais e seus subprodutos, por exemplo, bifenilos policlorados e bifenilos polibromados,
  • plásticos e plastificantes, por exemplo, bisfenol A e ftalatos,
  • pesticidas, por exemplo, diclorodifeniltricloretano,
  • dioxinas,
  • farmacêuticos, por exemplo, dietilestilbestrol,
  • fungicidas, por exemplo, vinclozolina,
  • metais pesados, por exemplo, arsênico, cádmio, chumbo e mercúrio,
  • parabenos,
  • fitoestrogênios, por exemplo, genisteína e cumestrol,
  • micotoxinas.

Bisfenol A, ftalatos e bifenilos policlorados são considerados os mais bem pesquisados ​​e os mais perigosos para a saúde.

FTALANOS - cuidado com os medicamentos!

Estudos em animais mostraram que os ftalatos podem agir no organismo por meio de receptores de estrogênio e receptores ativados por proliferadores de peroxissomo (PPARs). Estes últimos desempenham um papel importante no metabolismo do tecido adiposo. Acredita-se que os ftalatos interferem na formação e maturação dos óvulos, inibindo a produção de estradiol nos ovários.e também podem estar envolvidos na patogênese da resistência à insulina, obesidade e diabetes tipo 2. Os ftalatos são amplamente utilizados como plastificantes para melhorar a flexibilidade do cloreto de polivinila. Os ftalatos são encontrados em cápsulas de remédios e suplementos, materiais de construção, cosméticos e agentes de limpeza, dispositivos médicos, brinquedos infantis, tintas de impressão e têxteis. Assim como o BPA, os ftalatos entram facilmente no ambiente humano, por exemplo, através dos alimentos.

BIFENIS POLICLORADOS em alimentos contaminados

Os efeitos nocivos dos bifenilos policlorados (PCBs) em óvulos femininos foram bem documentados. PCB afeta, entre outros. na maturação dos folículos ovarianos e reduz a secreção de estrogênios. Além disso, assim como os ftalatos, os PCBs podem interagir com o receptor PPAR e participar da patogênese da obesidade. PCBs são usados ​​em química industrial para fabricar transformadores, capacitores e fluidos de refrigeração. Eles são facilmente solúveis em gorduras e podem se acumular nos organismos, razão pela qual os seres humanos estão expostos aos PCBs principalmente através do consumo de alimentos contaminados, por exemplo, peixe, carne.

Substâncias hormonalmente ativas: vias de exposição

Substâncias hormonalmente ativas são encontradas praticamente em todo o ambiente humano. Eles foram encontrados no ar, solo, água potável, alimentos, cosméticos, produtos domésticos, dispositivos eletrônicos e têxteis. Eles não estão apenas localizados no ponto de produção, mas também são transportados por longas distâncias pela água e pelo vento. Assim, a eliminação completa de substâncias hormonalmente ativas do nosso ambiente é praticamente impossível.

Grande parte das substâncias hormonalmente ativas é resistente à degradação. Portanto, embora a produção e o uso de alguns deles tenham sido proibidos há muitos anos, ainda temos contato com eles no meio ambiente. Além disso, substâncias hormonalmente ativas se acumulam na cadeia alimentar, estando o ser humano em sua extremidade e, portanto, sendo o mais vulnerável. Além disso, a maioria deles são lipofílicos, o que significa que se dissolvem facilmente nas gorduras e podem penetrar facilmente na pele.

Lembre-se que as substâncias hormonalmente ativas também incluem compostos encontrados naturalmente nas plantas, por exemplo, fitoestrógenos na soja. No entanto, é atribuído um efeito bastante benéfico na saúde humana.

Substâncias hormonalmente ativas: impacto na saúde

Os primeiros relatos sobre os efeitos nocivos de substâncias hormonalmente ativas datam da década de 1970, quando o estrogênio sintético não esteroidal - dietilestilbestrol, após administração em gestantes, causou distúrbios em sua prole.fertilidade e câncer vaginal. Após muitos anos de pesquisa, em 1991, na Conferência Wingspread, especialistas de várias áreas da ciência reconheceram oficialmente que várias substâncias ambientais podem interferir no sistema endócrino e introduziram o termo substâncias ativas hormonais. Então, em 2002, a OMS publicou um relatório oficial apresentando as evidências atuais sobre substâncias hormonalmente ativas para a saúde, que foi atualizado em 2012.

Em 2015, a Sociedade de Endocrinologia emitiu uma declaração sobre substâncias hormonalmente ativas nas quais listou, entre outras:

  • obesidade,
  • diabetes,
  • distúrbios das funções reprodutivas femininas e masculinas,
  • tumores hormônio-dependentes em mulheres,
  • câncer de próstata,
  • doença da tireoide

como doenças potencialmente relacionadas à exposição a substâncias hormonalmente ativas.

No entanto, embora a quantidade de evidências que apontam para os efeitos adversos à saúde de substâncias hormonalmente ativas seja grande, a relação de causa e efeito ainda não foi totalmente estabelecida. Grande parte das pesquisas que confirmam o impacto negativo das substâncias hormonalmente ativas na saúde humana ainda vem de estudos em animais. Outras dificuldades de pesquisa que não permitem a simples determinação dessa relação são, por exemplo, a dose tóxica mínima para compostos individuais, pois as substâncias hormonalmente ativas já apresentam atividade biológica em concentrações inferiores àquelas para as quais sua atividade tóxica é calculada. Isso pode atrasar as consequências da exposição no tempo. Um problema adicional é que o corpo humano está exposto à ação simultânea de várias substâncias hormonalmente ativas, que podem acumular seus efeitos negativos à saúde. Além disso, seu impacto dependerá do sexo, idade, genótipo, metabolismo e composição corporal da pessoa exposta.

Todos concordam, porém, que as crianças são as mais expostas aos efeitos das substâncias hormonalmente ativas. Atualmente, acredita-se que a exposição do feto pode levar a distúrbios do seu desenvolvimento e alterações permanentes na expressão gênica ( alterações epigenéticas). O que na idade adulta pode resultar em aumento do risco de certas doenças.

Outro risco é o acúmulo de substâncias hormonalmente ativas no tecido adiposo humano, mas também em fluidos biológicos como sangue, urina, leite ou líquido amniótico.

Pesquisas confirmaram que substâncias hormonalmente ativas podem causar efeitos biológicos nas próximas três gerações!

Substâncias hormonalmente ativas: efeitos no sistema reprodutor

Evidências científicas atuais apontam para participaçãosubstâncias hormonalmente ativas na patogênese:

  • síndrome dos ovários policísticos,
  • extinção prematura do ovário,
  • endometriose,
  • malformações dos órgãos sexuais masculinos e femininos,
  • distúrbios de fertilidade em homens e mulheres,
  • câncer de mama, testículo e próstata.

Estima-se que a contagem média de espermatozóides nos homens diminuiu quase 50% nos últimos 50 anos. Embora as causas desse fenômeno sejam complexas, acredita-se que um dos fatores que influenciam a qualidade do sêmen em homens pode ser a exposição crônica a substâncias hormonalmente ativas. Certos ftalatos (monobenzil e monobutil ftalato) e PCBs demonstraram reduzir a contagem e a motilidade dos espermatozóides.

Substâncias hormonalmente ativas: influência na obesidade e doenças metabólicas

A maioria das substâncias hormonalmente ativas são classificadas como obesogens, ou seja, substâncias que podem contribuir para o desenvolvimento da obesidade. Os obesógenos afetam os processos de formação e decomposição do tecido adiposo, podendo afetar direta ou indiretamente o acúmulo de tecido adiposo. Foi demonstrado que os obesogênios podem influenciar a formação da obesidade modificando o metabolismo basal, controlando a formação de células de gordura, modificando a composição da microbiota intestinal e regulando o centro de fome e saciedade.

Supõe-se que os obesogênicos podem afetar o corpo in utero, pois existe uma correlação entre a exposição pré-natal ao estrogênio e o peso corporal da prole durante a vida adulta.

Foi comprovado em estudos com animais que, entre outros, dioxinas, pesticidas e BPA podem causar resistência à insulina e interferir nas células beta pancreáticas. Por outro lado, análises epidemiológicas mostraram uma relação entre altos níveis de dioxinas e um risco aumentado de distúrbios de carboidratos e diabetes. Também foi demonstrado que a exposição prolongada ao BPA pode levar à resistência à insulina, e a concentração de alguns metabólitos de ftalatos na urina correlaciona-se positivamente com os níveis de glicose e insulina no sangue.

Substâncias hormonalmente ativas: regulamentação legal

O controle de substâncias hormonalmente ativas é realizado pela Comissão Européia em cooperação com a Autoridade Européia de Segurança Alimentar (EFSA) e a Agência Européia de Produtos Químicos (ECHA). .Agência Européia de Produtos Químicos). No sistema da União Europeia, a ECHA é responsável pela avaliação dos produtos biocidas e a EFSA avalia a segurança das substâncias hormonalmente ativas utilizadas em pesticidas. Desde 1999, a Comissão Europeia tem vindo a implementar uma estratégia no domínio dasubstâncias hormonalmente ativas. Esta estratégia foi tida em conta nas alterações posteriores introduzidas na regulamentação da UE. Em junho de 2007, o Regulamento REACH ( Registro, Avaliação, Autorização e Restrição de Produtos Químicos ) sobre produtos químicos na União Européia entrou em vigor. O principal objetivo do regulamento é melhorar a proteção da saúde humana e do meio ambiente contra os riscos apresentados pelos produtos químicos. O regulamento REACH se aplica a todos os produtos químicos encontrados em produtos de uso diário, como agentes de limpeza, tintas, roupas, móveis, brinquedos e aparelhos eletrônicos.

O Regulamento (CE) n.º 1107/2009 relativo aos produtos fitofarmacêuticos e o Regulamento (UE) n.º 528/2012 relativo aos produtos biocidas estabelecem critérios científicos para a identificação dos desreguladores endócrinos.

Em 15 de junho de 2016, a Comissão Europeia adotou uma comunicação descrevendo a situação das substâncias hormonalmente ativas e outros planos de ação. A Comissão também adotou dois projetos de legislação que estabelecem critérios científicos para a identificação de substâncias hormonalmente ativas.

A ECHA e a EFSA publicaram diretrizes em 2022 sobre como identificar substâncias hormonalmente ativas em produtos fitofarmacêuticos e biocidas.

Substâncias hormonalmente ativas: como evitar?

Atualmente, as substâncias hormonalmente ativas estão no centro das atenções de muitas organizações internacionais de saúde. Portanto, mesmo que os efeitos sobre a saúde das substâncias hormonalmente ativas não sejam totalmente comprovados, vale a pena ter cuidado ao lidar com produtos que contenham substâncias hormonalmente ativas. Este conselho se aplica especialmente a mulheres grávidas ou pessoas que planejam uma família.

Para limitar o contato com substâncias hormonalmente ativas:
  • evite comprar e armazenar alimentos em embalagens plásticas marcadas com 3, 6 e 7, pois são as mais tóxicas,
  • se tiver que usar embalagens plásticas, compre e guarde os alimentos nas rotuladas 1, 2, 4, 5, pois são menos tóxicas,
  • melhor armazenar e aquecer os alimentos em recipientes de vidro, porcelana ou inox,
  • evite aquecer alimentos em forno de micro-ondas em embalagens plásticas, mesmo que sejam destinadas a esse fim,
  • levando comida para ir pedir embalagem que não seja de poliestireno,
  • cozinhe mingau e arroz a granel, sem sacos,
  • reduzir o consumo de enlatados,
  • compre produtos orgânicos sem agrotóxicos,
  • lave bem frutas e vegetais antes de comê-los,
  • considere usar um filtro de água,
  • Evite cosméticos que contenham fragrâncias artificiais e escolha cosméticos rotulados como "sem ftalatos", "sem BPA" e "sem parabenos",
  • minimize o contato com os recibos da loja e lave as mãos após manuseá-los,
  • use mamadeiras e brinquedos infantis rotulados como "BPA free."

Ajude o desenvolvimento do site, compartilhando o artigo com os amigos!

Categoria: